Alopecia Areata

Também conhecida como “pelada”, é um quadro bastante frequente.

Ocorre uma perda total de cabelos ou pêlos em áreas redondas ou ovais geralmente no couro cabeludo e na barba. As áreas acometidas apresentam pele lisa e brilhante. Apesar de menos comum, quaisquer locais do corpo em que haja pêlos podem também ser acometidos, como: sobrancelhas, cílios e pêlos corporais.

Náo se conhece ao certo a causa, mas acredita-se que a alopecia areata ocorra principalmente por mecanismos autoimunes, ou seja, as células de defesa identificam os folículos de sue próprio corpo como “estranhos” e iniciam um processo de “ataque”, o que desencadeia a queda. O porquê disso ainda não se sabe, mas existem pessoas pré dispostas a desenvolver esse quadro (maior chance em familiares que já apresentaram esse tipo de alopecia) e fatores emocionais são importantes no desencadeamento e na manutenção do processo.

Geralmente se manifesta como uma única ou algumas áreas de ausência de cabelos, podendo ocorrer mais raramente um quadro de perda difusa dos cabelos , inclusive de outras áreas do corpo. Na maioria das vezes são episódios isolados, com baixas taxas de recorrência. O quadro ocorre em até 2% da população, porém felizmente apenas uma minoria apresenta casos mais extensos e recidivantes.

Podem ocorrer em qualquer idade e a causa é desconhecida. Acredita-se que fatores emocionais podem atuar como agentes desencadeantes e agravantes.

Existem várias opções de tratamentos,sendo que quanto mais precoce a abordagem, maior chance de sucesso. É importante também diferenciá-las de outras condições semelhantes como algumas micoses do couro cabeludo e outros tipos de perda localizadas dos cabelos. Porém não é possível prever a evolução e a resposta ao tratamento da alopecia areata, sendo importante a avaliação e acompanhamento de um dermatologista. Também é importante abordar doenças sistêmicas, como as tireoidianas, em que é possível ocorrer associação.

Quadros mais extensos com perda total dos cabelos do corpo podem ocorrer, mas felizmente são mais raros. Para o tratamento, utilizam-se medicamentos tópicos e/ou à base de corticóides , bem como outros medicamentos imunomoduladores. Às vezes pode ser necessária a infiltração de medicamentos nas lesões. Outras opções terapêuticas são a crioterapia e a fototerapia.Quadros resistentes do tratamento convencional após 2 anos podem ter indicação para microtransplante capilar, quando náo há acometimento da área doadora.

O prognóstico é geralmente favorável. Alguns pacientes, principalmente aqueles com lesões menores e localizadas, podem ter recuperação espontânea mesmo sem usar medicamentos. Após tratamento e recuperação das lesões de alopecia areata, a área acometida volta à sua aparência normal. Podem ocorrer novas crises no futuro com reaparecimento de lesões, em geral, desencadeada por fatores emocionais.


Quer saber mais?

Ligue pra gente:

31 3274-4487 31 98478-6715

Ou preencha o formulário que entraremos em contato: