É normal mulheres com mais de 40 anos perderem muito cabelo?

Blog, Dúvidas Frequentes

Com a idade, queda de cabelo pode ser normal.

Tenho 78 anos e desde os 40 sofro de uma queda de cabelos inexplicada.

Tenho hipotiroidismo, mas estou desde há muito tempo sob supervisão médica. Faço exames regularmente. Sou saudável, quanto a outros aspectos.

Uma dermatologista constatou pouca quantidade de ferro. A queda é constante, inverno ou verão, perco um exagero de fios, mas não tufos. Os novos cabelos estão cada vez mais finos, estou a caminho de exibir calvície.

Sei que idosos perdem muito cabelo, mas meu caso é notável pela quantidade excessiva e pela velocidade em que os fios se vão.

O que eu faço? R.C.S.C.

Após os 40 anos, pelo menos 50% das mulheres se queixam de perda de cabelo, segundo José Régis, coordenador do departamento de cabelos e unhas da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

O quadro costuma se agravar após a menopausa, devido à diminuição da produção de estrogênio, que possui um efeito protetor em relação ao cabelo.

As doenças citadas podem contribuir para a queda.

Queda de cabelo é uma coisa comum, porém, o problema ocorre quando não há reposição, o que leva a uma diminuição progressiva do volume.

Outros fatores, como química no cabelo, descoloração, escovação com secador muito quente, entre outros também podem agravar a queda.

O cabelo afina com a idade, o que não tem cura.

Há diferentes graus de perda de cabelo, o que pode ser analisado por um dermatologista. Um exame, chamado dermatoscopia, também pode auxiliar na análise da perda e do afinamento do cabelo.

Régis também indica que sejam feitas, periodicamente, revisões laboratoriais, como exames de sangue, por conta da possibilidade da queda estar associada à ação de hormônios ou minerais.

Dermatologistas podem verificar o avanço e grau do quadro, e, se necessário, indicar tratamentos tópicos, orais, injetáveis, com laser e até mesmo implantes.

Contudo, segundo Régis, “não tem como ter o cabelo que você tinha na juventude.”

Entrevista por Dr. José Rogério Regis para edição da Folha de São Paulo em 14 de janeiro de 2017 – caderno Equilíbrio e Saúde.

Fonte:

Veja mais